sexta-feira, 13 de novembro de 2009

O Mago Minimalista - César Villela

        


César Villela, um dos mais influentes artistas gráficos brasileiros, criou um grande número de capas de LPs para a gravadora Odeon a partir do final do anos 50. Entre eles, os discos "Ooooh! Norma", de Norma Benguell, e “Amor de Gente Moça”, de Silvinha Telles. Com eles que começa a definir um estilo. 


Em 1963 surge o design impactante, minimalista, moderno e elegante para a gravadora Elenco. Onde o alto contraste e uma dança de sinais gráficos são os elementos centrais. O primeiro trabalho com essa idéia é o disco "O Amor, o Sorriso e a Flor", de João Gilberto. Na capa, uma foto solarizada do cantor. Depois, inclui nas capas outro recurso gráfico que marcariam ainda mais seu trabalho. Nada mais do que quatro bolinhas vermelhas. Villela teve a idéia ao ler na Cabala que o número quatro é ligado à harmonia.






Na época, fazer as capas em alto-contraste era trabalhoso e caro. Eram necessárias várias revelações. O artista experimenta novas técnicas como jato de areia nos discos de Rosinha de Valença e Roberto Menescal. Em 1964 vai para os Estados Unidos e trabalha em uma empresa de animação. Ainda realiza algumas capas para a gravadora até ela ser comprada pela Phillips. Atualmente vive no Rio de Janeiro e se dedica as artes plásticas. O que será que ele anda criando?





Um comentário:

pedro disse...

Muito interessante seu artigo!
Já agora tenho uma questão: sabe esse trabalho do Villela, a capa de "À Vontade" de Baden Powell - que tipo de letra é esse? Sabe o nome? Gostava de obter para o Windows.

Continuação de bom trabalho!