domingo, 21 de fevereiro de 2010

O Palhaço Dadaista - Karl Valentin


Karl Valentin em 1946

Brecht disse certa vez que aprendeu a escrever por influência de Karl Valentin. O cômico bávaro foi um gênio do jogo de palavras e diálogo de conflitos apresentandos em teatros e cabarés da Alemanha um humor direto,  irônico, irreverente e sem preconceitos. Dizem que Valentin é o verdadeiro pai do besteirol, além de autor de incontáveis frases marcantes: "Antes, até o futuro era melhor"; "Toda coisa tem três lados – um positivo, um negativo e um estranho"; "O ser humano é bom, as pessoas é que são ruins"; "Tudo já foi dito, mas não por todos".

Akordeon 1915


Musik Clown


Rodou seu primeiro filme em 1912, O Casamento de Karl Valentine mantinha um pequeno estúdio fotográfico onde registrava cada personagem que criava. Também produzia ele mesmo as fantasias, adereços e equipamentos que usava em suas apresentações. Em 1933, o filme A Herança foi proibido por questionar a propaganda de superioridade da raça ariana. É o início de um período difícil para o artista e seus parceiros de palco.



Liesl Karlstadt, companheira constante de palco


Clown

Frimling


Ensaio de Orquestra - Kabarett der Komiker, Berlin - 1928

Kriegsgott Mars

Com o nazismo, a guerra e suas conseqüências e mudanças, a Alemanha não tinha espaço para o humor de Valentin. O comediante não conseguiu produzir outros filmes, quase ninguém comprava ou tocava seus discos e seu programa de rádio foi tirado do ar. No teatro, a platéia e a crítica achavam seu humor amargo demais para aqueles tempos do pós guerra. Aos poucos foi saindo de cena. "Karl" Valentin Ludwig Fey morreu em 1948, aos 66 anos.


No camarim

Fotógrafo de seus personagens

2 comentários:

João disse...

Parabéns por apresentar este importante autor. Fiquei muito interessado em ler as peças dele. Você saberia onde posso adquirir traduções das peças? Agradeço a colaboração.

João Sanches
sanchesjoao@ig.com.br

Anônimo disse...

Muito obrigado.